Orgasmos múltiplos femeninos

 

 

 

 

Introdução:

 

A técnica de indução de orgasmos femininos é um método antigo que não foi inventado, e sim compilado, pelo autor deste texto,  não funciona automaticamente, e é necessário entrosamento e atração entre os envolvidos na sua prática.

 

Descrição:

 

Os orgasmos infinitos femininos, ou orgasmos múltiplos progressivos são uma série de orgasmos que a mulher vai tendo, cada vez mais fortes, até que, em torno do décimo orgasmo, a mulher cai em sono profundo. A intensidade, quantidade e velocidade dos orgasmos varia de mulher para mulher.

 

Procedimentos Iniciais:

 

Para uma mulher atingir o orgasmo múltiplo é preciso, que antes de tudo ela esteja excitada e atraída pela situação. Como em uma média as mulheres tem dificuldade de se entregar e confiar em um parceiro novo, esta técnica tende a apresentar maiores resultados em pessoas que já se relacionam a algum tempo e já adquiriram um nível de confiança mútua maior. Fique sempre atento para as expressões faciais, sons, movimentos ou qualquer outra coisa que a mulher possa lhe passar como informação. O seu sucesso depende diretamente da sua capacidade de saber se a mulher está fria ou quente na relação

 

Uma excelente forma de aumento de rendimento é ter a relação dentro do ambiente de fantasia da parceira, o que aumenta o seu nível de excitação.

 

Exemplos de fantasias mais comuns:

Carros, praias desertas, lugares com pessoas passando, elevadores, situações de perigo em geral, sado-mazoquismo (consentido), roupas e uniformes civis e militares, mesa da cozinha, pia do banheiro, laje, terraço e etc.

 

Exemplos de fantasias menos comuns:

Toilet sex, Rape sex, animais, profissões (fotógrafo, ginecologista, padre, professor, etc).

 

Via de regra as mulheres; diferentemente do homem, que se excitam mais visualmente; tendem a ficar mais atraídas por impulsos físicos, como o beijo, o abraço e carinhos em geral. Tenha isso em mente para um bom rendimento.

 

Outra forma de captar a concentração feminina de uma maneira bem eficiente é sussurrando e/ou gemendo em seu ouvido. O que vai ser sussurrado muda muito de mulher para mulher, algumas sugestões são: palavras de amor, pornografia leve, pornografia pesada, ofensas leves, ofensas pesadas, etc. É necessário saber exatamente em que tipo a mulher se encaixa, pois, o uso errado destas causa efeito contrário.

 

Técnica:

 

Para se alcançar o objetivo em questão, a maneira é fazer com que a mulher tenha o maior número de áreas sexuais estimuladas ao mesmo tempo. As áreas principais para a maioria é: boca, peito, ânus, vagina, clitóris e bumbum. Como não existe regra, podem haver áreas diferentes para cada mulher, como os pés as mãos, a clavícula, o pescoço, a parte posterior do cotovelo e outras. Em um futuro será descrito como excitar essas áreas menos comuns.

 

A posição:

Existem duas posições principais nas quais foram conseguidos bons rendimentos: posição ginecológica, e de quatro. Uma outra alternativa é uma semi-cambalhota, mas essa é mais complicada.

 

Boca:

Beijo é fundamental, muito bem conhecido, não cabe a este texto ficar descrevendo uma forma de excitação tão bem difundida

 

Peito:

Outra forma de excitação bem conhecida, e uma das mais importantes. As melhores maneiras de excitação são: com os dedos em movimento circular em volta do bico, com os dedos no bico, comumente chamada de sintonia de rádio, e com o lábios, individualmente ou apertando os dois com a mão de forma a tentar chupar os dois ao mesmo tempo.

 

ânus:

Muito controvertido, geralmente adorado pelos homens, nem tanto pelas mulheres, é parte fundamental do processo. É muito recomendável que você conheça a pessoa, e faça uma higienização antes dessa fase, depois disso, não há muito problema. Abaixo algumas maneiras de excitação anal:

 

Beijo, beijar a entrada do ânus causa excelentes resultados

 

Introduzir a língua , tão eficaz  ou melhor que o primeiro item. Deve-se penetrar com a língua o mais fundo possível, para isso, a melhor posição é a de quatro com o peito abaixado, formando um triângulo.

 

Introduzir o dedo , introduzir um dedo, ou mais de um ser for o caso, preferencialmente lubrificado, causa boas sensações, a parte mais sensível é a superior, logo abaixo da vagina, mais ou menos a 3 ou 4 cm do ânus. Procure massagear de formas variadas, em círculos, vibrando, pressionando e tente descobrir qual a que fornece melhores resultados .

 

bolas tailandesas , fantástico acessório, são bolinhas plásticas amarradas por uma corda, com uma argola na ponta, que são introduzidas uma a uma no ânus. Pode se acondicionar estas dentro de uma camisinha, para uma melhor higiene . A forma recomendada para o uso deste acessório, é ficar puxando a cordinha, como se solta uma pipa, ou puxá-lo até o limite imediatamente antes da bolinha sair do ânus, e aí, soltá-la novamente. A medida que o êxtase vai chegando, tira-se as bolas uma a uma, de uma maneira mais ou menos calculada, para que, a última saia junto com o clímax, quando isso acontece, a reação feminina é fortíssima e indescritível. Estas bolas são amplamente vendidas no comércio, podendo ainda ser comprada on line, tendo três tamanhos principais: pequeno médio e grande; prefira o grande ou médio. Existe ainda o Mega Ball, que são três bolas ao invés de cinco , com um tamanho bem mais avantajado, as bolas normais tem o tamanho de uma uva, as megas tem o tamanho de uma bola de ping-pong, e podem ser usada analmente ou vaginalmente. Tenha o cuidado de lavar a bola ou trocar a camisinha se for tirar a bola do ânus e introduzir na vagina.

 

enema, também conhecido como lavagem intestinal. Existem explicações mais científicas ou menos científicas para o prazer que a mulher sente com o enema, encontram-se páginas na web que tratam somente deste assunto, são as water sports. Muito usado medicinalmente em mulheres grávidas e outros procedimentos cirúrgicos, este método pode ser repugnante e humilhante para uns, e muito admirado por outros, cabe ao leitor a descoberta. O processo consiste em injetar água ou óleo de preferência mineral, no ânus da mulher, aguardar pelo menos cinco minutos, e depois fazê-la expelir, então repete-se a operação mais duas vezes, ou quantas forem necessárias ou agradáveis. Durante o processo podem surgir cólicas, se isso acontecer, pare. Alguns gostam de ter orgasmo com o intestino cheio do fluido, outros preferem esvaziá-lo. O equipamento para o enema pode ser um clister, uma ducha ginecológica, um irrigador ou uma seringa bem grande. A capacidade de enchimento varia de pessoa para pessoa, mas a média fica em torno de 400 a 600mL. E a posição adequada para isso é a deitada de lado, de costas ou de quatro, preferencialmente a primeira.

 

Penetração: Outra forma apreciada e detestada é a penetração anal, também bastante conhecida, todavia, não se aplica bem a técnica abordada.

 

Plug anal: plug ou pênis artificial é um bom artifício para excitação anal,  causa uma sensação de preenchimento maior. Existem várias formas e preços, com ou sem vibrador, procure escolher um que não seja muito grosso, e que tenha um formato e cor simpáticos.

 

Vagina:

Parte fundamental da técnica, todavia, não tão bem explorada,  como deveria ser. Abaixo algumas sugestões:

 

Língua: Passar a língua na porta da vagina inicialmente para um pré-aquecimento, e só depois disso colocá-la bem fundo na vagina. Procure de preferência excitar as parte superiores, o mais próximo do Ponto G, que fica na metade do caminho entre a entrada e o colo do útero. Movimente a língua ao máximo, para cima e para baixo, de um lado para o outro e movimentos circulares. Depois de uma excitação vigorosa, pare por 10 segundos, isso vai parecer uma infinidade para a mulher, e vai deixá-la mais propensa a próxima excitação, depois do que retome o processo. Pode-se também intercalar uma penetração profunda com uma superficial, na porta. Distribua beijos por toda a área da vulva. Sugue os grandes e pequenos lábios. Sem dúvida a melhor posição para a penetração vaginal é a de quatro, segura-se a cintura da parceira, com a língua na entrada da vagina, e puxa-se contra o seu rosto com força. Um alternativa que também rende bons resultados é a posição ginecológica.

 

Dedo: Tão excitante quanto a língua, para algumas até melhor, é a excitação da vagina através dos dedos, em condições normais, um ou dois. O número de dedos vai com o gosto da pessoa, mas, um dedo apenas é melhor para acariciar o ponto G, este, como foi dito, fica na metade do caminho entre a entrada da vagina e o colo do útero, na parte de cima logo abaixo da barriga, contudo, você só o vai identificar a diferença na textura da mucosa vaginal após uma boa excitação. Algumas pessoas sentem mais rugosas outras chegam a encontrar uma espécie de fio tensionado, caso o encontre, este é o melhor lugar para acariciar. O  movimento ótimo para ser feito é o movimento em  forma de oito, com o centro do oito sobre o ponto G. Alterne movimentos de fricção forte e rápida, com suaves e lentas, mude para carinhos externos e depois para outros profundos chegando até o colo do útero. 

 

Clitóris:

O clitóris é a parte decisiva da técnica, e existe uma infinidade de formas de excitá-lo. Serão descritas algumas aqui.

 

Massagear o clitóris com um dedo, o polegar ou o indicador, de preferência lubrificado com saliva. Faça movimentos com delicadeza para não doer. Pode-se colocar o clitóris entre o dedo indicador e o maior de todos e fazer movimentos circulares, esta forma é complicada de se executar, mas também tem bons efeitos.

 

Beijar o clitóris, levemente, fortemente, ou alternando, são excelentes maneiras de aquecer uma mulher.

 

Passar a língua: das formas de acariciar o clitóris esta é a mais diversificada. Um dos movimentos de maior sucesso é o que se faz em forma de oito, com o centro do oito sobre o centro clitoriano. Outra forma é o de cima para baixo, e de um lado para o outro. Procure sempre atingir o clitóris pela parte de baixo dele, levantando a pele que o recobre com o auxílio suave das mãos ou dos lábios, esse ponto é o de maior sensibilidade, e provoca efeitos mais rápidos. Outra abordagem é começar os trabalhos com o clitóris fazendo um mínimo toque com a língua ou com os lábios, quanto menor melhor,  e a partir daí, aumentar progressivamente. Apertar  entre os lábios e chupá-los também causa um bom efeito. Varie sempre a velocidade e intensidade dos movimentos, até achar a forma adequada.

 

 

 

A área em vermelho indica o ponto G

 

O dedo indicador se encontra na vagina e o outro no reto.

 

Procedimentos Finais:

 

Para se chegar a etapa final que são os orgasmos múltiplos é preciso ter em mente uma regra básica, quanto mais sensações a mulher estiver sentindo ao mesmo tempo, e mais excitada ela estiver melhor.

 

Primeira Etapa: As preliminares

Para a primeira parte é necessário empregar um bom tempo nas etapas de beijo, de preferência pelo corpo todo, e na de excitação das mamas. A etapa seguinte deve ser feita somente depois de a mulher estar com um bom ímpeto sexual, caso não esteja, a possibilidade de insucesso é mais alta.

 

Segunda Etapa: O clitóris

Tendo concluído a fase anterior, o passo seguinte é a massagem do clitóris com as mãos, pode-se passar direto aos lábios ou língua, mas, começando-se com as mãos, a língua terá seu efeito  multiplicado. Uma analogia para o que acontece são situações de quente e frio, ou doce e salgado, exemplo, se coloca as mãos em uma água muito gelada e depois troca-se para uma água muito quente, esta vai parecer bem mais quente do que realmente está.

 

Terceira Etapa: O ânus

Para a terceira etapa, que também só deve ser feita após ter-se resultados satisfatórios com a fase anterior, pode-se escolher entre uma das técnicas acima descritas. Pelas experiências práticas, a que surte maior resultado é a das bolas tailandesas, também conhecida como bolas chinesas ou anal beads. Toma-se as bolas e introduz-se uma a uma na parceira, a melhor posição para isso é a de quatro, com o peito abaixado. Estando a mulher bem excitada, seu ânus deverá estar latejando, assim, deve-se encostar a bolinha efetuando-se leve pressão, e só empurrar para a introdução quando os músculos estiverem relaxados. Caso seja possível, mantenha a massagem clitoriana durante esse etapa, isto não é difícil como pode parecer. Após ter-se colocado a última bola, passe um tempo aplicando leve puxões a cordinha, sem deixar nenhuma bola sair, isto causará uma sensação muito agradável a parceira.

Escolhendo a excitação com a língua, deve-se fazê-la, juntamente com a massagem do clitóris.

Lançando-se mão da introdução anal de um dedo,  também deve-se manter a língua ou os lábios no clitóris.

Observe que para o caso da opção ser as bolas, ou a do enema, é preciso ter tais acessórios preparados antecipadamente, para que não haja perda de tempo, e com isso, redução do ímpeto sexual.

 

Quarta Etapa: A vagina

Concluindo o processo está a quarta etapa, se a moça não estiver bem quente neste momento, talvez seja melhor recomeçar.

A experiência mostrou que ótimos resultados são alcançados da seguinte forma: mantém-se a excitação anal com uma das mãos, outra mão passa a massagear o clitóris, e os lábios beijam a vulva, primeiro bem levemente, e a medida que o tempo passar, cada vez mais forte, até que chegue o momento de penetrar a vagina com a língua, primeiramente só na entrada e progressivamente o mais fundo que for possível. Depois de um espaço de tempo empregado desta forma, alterna-se os lábios para o clitóris e os dedos para a vagina, também aí deve-se primeiramente excitar a entrada e depois lá dentro. Procure o ponto G, como foi descrito anteriormente, e passe a massageá-lo vigorosamente, pode-se empregar bastante força nisto, cuidando-se apenas para não encostar a unha, que certamente fará um corte na mucosa. Mantenha este procedimento, ânus, vagina e clitóris, mudando de vez enquanto uma das mãos para as mamas, bumbum ou o resto do corpo, e depois voltando ao mesmo local.

 

 

Conclusões:

 

O tempo para a mulher começar a ter os orgasmos múltiplos vai variar de uma para a outra, pode ser que não se consiga os resultados desejados na primeira tentativa, mas a medida que o timing da parceira seja sincronizado, o processo vai ficar bem mais fácil.

Se a mulher nunca tiver usado o ponto G, e sendo este devidamente estimulado, sua parceira pode vir a ter reações muito fortes, podendo vir a ter uma ejaculação.  Já foi observada situações de a mulher ter quinze minutos de orgasmos em séries intermitentes. Geralmente nenhuma resiste a mais de dez, caindo em sono profundo, completamente exausta.

 

Voltar